Duarte Coelho dedica a sua vida á prática e ao ensino do Kitesurf em Portugal (Lisboa).

 

Esta paixão nasceu em Maio de 1998 quando pela primeira vez colocou um kite de tracção no ar e sentiu o prazer do voo, da força e a velocidade do vento nas mãos.

 

Começou a ensinar esta Arte de Voar Sobre a Água desde 2001.

Foto: Duarte Coelho a voar na lagoa de Albufeira em 2011. Foto tirada por Carlos Delicado.

Foto: Duarte (a tirar a foto) e alguns membros do grupo que iniciou o kitesurf em Portugal: João Carlos Ribeiro (do lado direito), Francisco Galamba (lado esquerdo em baixo) e Ricardo Gomes (em cima de t-shirt branca).

Nome: Duarte do Valle de Castro Baptista Coelho

 

Certificações para instrução de Kite:

- IKO - Internacional Kiteboarding Organization (Internacional)

- FFVL - Federação Francesa de Voo Livre (Internacional)

- FPVela - Federação Portuguesa de Vela

 

​Habilitações literárias: - Licenciatura em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana (FMH) e Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).​

 

Formações complementares:

 

- Curso de Treinador - Federação Portuguesa de Vela

- Curso de instrutor internacional de Kite Federação Francesa de Voo Livre

- Curso de instrutor internacional de Kite – Internacional Kiteboarding Organization.

- Carta de Nadador Salvador – Instituto de Socorros a Náufragos.

- Carta de Patrão Local – Instituto Portuário Transportes Maritimos.

- Curso de 1ºs socorros – Cruz Vermelha.

- Curso de 1ºs socorros – Federação Portuguesa de Voo Livre.

- Piloto Nível 4 de Parapente – Federação Portuguesa de Voo Livre.

- Curso Pratictioner (Programação Neuro-Linguística).

- Curso de Psicosintese.

- Curso de instrutor de Yoga - Mohni Van Research Center and Sant Sewa Ashram (India - Rishikesh).

 

 

Curriculo desportivo competitivo - Kitesurf

 

Maio 1998 - Início na prática de Kite.Agosto 2001 - 2º Lugar no 1º campeonato nacional “Overpower Kitesurf Contest 01”.

Abril 2002 - Participação etapa do Kiteboard World Pro Tour 2002 em Tarifa “Red Bull Sky ride Tarifa 2002”.

Maio 2002 - 5º Lugar na 1ª etapa do campeonato nacional de Kitesurf (CNK) - Viana do Castelo.

Junho 2002 - 1º Lugar na prova de Hang Time, na Lagoa de Albufeira.

Abril 2003 - 1º Lugar na prova “best Trick” da 1ª etapa do CNK 2003 - Vilamoura.

Maio 2003 - 5º Lugar na 2ª etapa do CNK - Viana do Castelo.

Julho 2003 - 1º Lugar na Final do CNK - Costa da Caparica.

Novembro 2003 – 11º na prova de longa distância da final do campeonato do mundo de kitesurf “PKRA” no Ceára, Brasil.

Maio 2004 – 3º ligar na 2ª etapa do CNK.

Agosto 2005 – 2º lugar prova de kickers e sliders em Esposende.

Setembro 2006 – Participação no Campeonato do mundo, Wave Masters – Guincho.

Maio 2007 a Março 2010 - Presidente da Federação Portuguesa de Kite - APD

Setembro 09 - Membro do Comité Olimpico Internacional de Kitesurf (integrado no IKA - Internacional Kiteboarding Association).

Abril 2009 - Presidente do Kite Sports Portugal Club.

 

 

Outros desportos e práticas:

 

Rugby de 1990 a 1993. (Campeão Nacional (Juvenis) em 1992)

Remo de 1995 a 1998. (Campeão nacional em Yolle de 4 (Juniores) em 1996)

Surf desde 1998 até hoje.

Yoga desde 2003 até hoje.

BTT desde 2006 até hoje.

Parapente de 2007 a 2011.

SUP (Stand Up Paddle) desde 2012 até hoje.

 

- - - - - 

 

Caso tenha curiosidade leia AQUI em baixo como o Duarte Coelho iniciou a sua pratica no Kitesurf (Flysurf!).

 

"A minha história com o Kitesurf.

 

1990 - Tinha 10 anos quando pela primeira vez voei um kite triangular na

praia das maças. Vi um homem a voar o papagaio na praia e fiquei maravilhado

com aquilo. Cheguei-me perto e ele percebeu o meu entusiasmo e deixou-me

segurar nas pegas do papagaio para eu sentir a força do vento através do

kite. Fiquei viciado mas como não sabia voar a experiência ficou por ali.

 

Passado 8 anos, no início de 1998 comprei um papagaio delta, triangular,

igual ao que está na foto. É um kite que só tem 2 linhas de comando, e que

não traciona devido ao seu reduzido tamanho, 1,5 metros quadrados.

 

A primeira vez que voei o delta foi na praia do Vimeiro com o meu pai. Voei-o

algumas vezes no Guincho e em Carcavelos e fui melhorando a minha

técnica.

 

 

 

Passado 4 meses, por volta de Maio de 1998 comprei um kite de tracção,

modelo EKKO da marca Elliot, com 2,8 metros quadrados, já com pegadeiras,

que são dois comandos separados, cada um com duas linhas, uma de força e

outra de direcção.

 

 

 

 

A primeira vez que coloquei o EKKO no ar foi na praia do Guincho. Fui sozinho para a praia, não sabia nada sobre o kite, apenas me disseram como se montavam as linhas (inconsciência completa da parte do vendedor mas sobrevivi!!!).

Estavam na altura por volta de uns 25 nós de velocidade de vento (equivale a 4o e tal kms/h) e quando levantei o kite fui literalmente "arrancado" do chão com uma força brutal por parte do kite, foi lindo! :) Voei pelo ar e fui aterrar uns 10/15 metros à frente! 

Não me magoei por sorte, cai de pé! 

 

A sensação foi incrível, nunca tinha sentido tanta força na minha vida! Quando agarrei nos comandos do kite, não estava à espera daquela força! Fiquei completamente viciado naquela sensação! Passei mais de 1 hora a voar o kite e a dar saltos na areia, e sempre sem arnês, não sabia da existência desse acessório!

Parei de voar porque já me doíam os braços de tanta força que fazia, felizmente hoje já se usam arneses!

 

Passado 2 meses num dia de verão, estava eu na Costa da Caparica a voar o EKKO de 2,8 m2, estava um dia de muito calor e eu lembrei-me de ir dar um mergulho com o kite no ar, ou seja, com o kite a voar. Quando pus o pé na água ocorreu logo uma ideia excelente: 

- porque não dar saltos para dentro de água? Em vez de dar saltos em terra! 

Foi a melhor ideia que podia ter tido! A partir daí já não queria outra coisa, sempre que punha o kite no ar ia directamente para a água ser arrastado até ás ondas e dar saltos dentro de água, foi o começo da técnica de body drag que na altura nem sabia para que é que ia servir! 

 

Na altura era olhado pelas pessoas na praia com um enorme espanto, não sabiam o que era aquilo (em 1998 não havia kitesurf em Portugal), uma pessoa agarrada a um papagaio grande a ser arrastado e a dar saltos por cima das ondas!

 

Nesse verão comecei a fazer surf com uns amigos meus e num belo dia de verão fomos para a praia de São João da Caparica e levamos as pranchas. 

Nesse dia, por acaso, tinha levado o kite e como as ondas estavam pequenas para o surf, peguei no kite e comecei a voá-lo com os pés dentro de água, o vento estava forte e on-shore (vento de mar para terra), logo estava como uma direcção que não podia dar saltos para dentro de água, porque ia aterrar na areia. A maré estava vazia e tinha água pelo joelho. 

Estava na água a voar e dum momento para o outro "fez-se luz…!!!" e pensei: 

- Vou experimentar pôr-me em cima da prancha de surf com o kite a puxar!!!! Pedi a um amigo meu, o Henrique, para me trazer a prancha e pô-la á minha frente, dentro de água! Pus um pé em cima dela, mergulhei o kite para baixo para ele me puxar e… espectacular! maravilha!!!… estava com os dois pés na prancha, em cima da prancha e comecei a navegar dum momento para o outro! 

Fabuloso! …ainda consegui passar uma onda/espuma mas à segunda, cai da prancha! Fiquei completamente entusiasmado com a experiência! Voltei para o mesmo sitio para fazer o mesmo, mas as tentativas seguintes não foram tão boas como a primeira, os pés escorregavam-me da prancha, como era apenas uma prancha de surf, sem footstraps, era bastante difícil, outro factor a agravar era a ausência de apoio por parte do arnês, não tinha arnês e por isso nunca conseguia agarrar na prancha por muito tempo sem o kite cair, e ainda outro factor que não era favorável, era o facto do meu kite ser um foil, sem qualquer bóia ou estrutura rígida para se aguentar dentro de água a flutuar. 

 

Quando o kite caía na água, tinha de o trazer para terra, cheio de água, secá-lo, e só depois é que podia voltar à acção, era realmente uma aventura. 

Nesse dia acabei por arrumar o material e ir para casa pensar sobre o assunto.

 

 

No dia seguinte acordei com uma ideia “brilhante”: - Pôr uma alças feitas de uma espuma densa, da minha antiga prancha de body board! Cortei duas rodelas da prancha, cavei um buraco da altura do meu pé, em cada uma delas e prendi essas alças com uma fita adesiva grossa à volta da minha prancha de surf, quando os meus amigos olharam para aquilo... tivemos meia hora a rir!!! 

A reacção deles foi: tu és completamente maluco, isso nunca vai funcionar, esquece lá isso!!! 

Como é lógico não esqueci!! 

Peguei na minha invenção e fui para a mesma praia de S.João, tentar andar em cima daquela prancha!

 

O vento não tinha força para puxar a minha pequena asa de 2,8 e eu mesmo assim fui para dentro de água, mas nesse dia não consegui fazer nada, nem sequer consegui encaixar os pés naquelas alças que tinha feito. Sem arnês era muito difícil conjugar as duas coisas, e até acabei por arrancar aquelas alças que não estavam ali a fazer nada. 

Passado uma semana fui para a lagoa de albufeira tentar novamente realizar o meu sonho, mas foi mais um dia sem fazer o que eu tanto ansiava.

 

Passado 2 meses a tentar houve um dia que consegui fazer um arranque em cima da prancha mas a asa caiu á minha frente e pensei que era impossível fazer o que eu tanto desejava. Entretanto continuava sempre com aquela ideia na cabeça até que um dia de Inverno desse mesmo ano, estava a ver televisão, a Eurosport e o que é que eu vejo que fico de boca aberta: um tal de Marcos “Flash” Austin a fazer um desporto que se chamava “Flysurf” que era exactamente a realização do meu sonho, um kite muito parecido com o meu, a puxá-lo em cima duma prancha de surf igual à minha! Fiquei completamente entusiasmado! 

 

 

 

O meu sonho era finalmente realizável!

 

 

Nas filmagens reparei que ele usava uma espécie de arnês que

passava por debaixo dos braços, atrás das costas, e a prancha

tinha umas alças das pranchas de Windsurf.

 

No dia seguinte fui a uma loja de desporto que também tinha

material de Windsurf em Algés, perguntar como poderia por

umas alças para os pés na minha prancha de surf. Quem me

atendeu na loja foi o Joao Saraiva, windsurfista, que se

ofereceu para me ajudar a furar a prancha e aparafusar uns

footstraps. Expliquei-lhe a minha ideia.

Passado umas semanas, fui para a praia de Carcavelos

experimentar a prancha com os novos footstraps e com

um arnês de windsurf, que tinha comprado na mesma loja,

e foi um sucesso, e a partir dai nunca mais parei!

 

Uma conclusão importante que se tira desta experiência é que tentar fazer kite sozinho pode ser perigoso, porque a probabilidade de haver acidentes é enorme e demora-se muito mais tempo do que com um instrutor certificado.

 

Até breve! :)

 

Bons Ventos e diverte-te! Deixo-te aqui um video que é uma pérola do Kitesurf:

 

Duarte Coelho

Informações \ Marcações

Email: kitesurfway@gmail.com

Tlm: (+351) 916 131 947


Nº Cédula de treinador IDP: 35234
Nº RNAAT: 393/2010
Nº de apolice OMT: 85/21393

fpkite logo.png